2
Shares
PinterestGoogle+

Nas histórias de suspense do Alfred Hitchcock, é comum, nos casos de assassinatos, o mordomo sempre aparecer como o suspeito. Mesmo quando sua inocência é nítida, a culpa sempre lhe recai. Em relação aos fofoqueiros não é diferente. Essa categoria de gente fica constantemente fazendo dos outros os culpados, pelo que acontece ou não acontece de errado. Falar mal da vida alheia é uma forma encontrada pelas pessoas frustradas para preencher seu vazio existencial. Julgam-se no direito de fazer interpretações enviesadas sob a ótica que querem dar.

O fofoqueiro procura desviar a atenção dos seus fracassos, imprimindo ao outro seus problemas mal resolvidos internamente. A felicidade dos outros o incomoda. A interpretação dos fatos sob a ótica do mexeriqueiro tem mais divergência do que convergência. Tem visão contaminada, descontextualizada, egoísta e orgulhosa. Não se dá por conta que as pessoas são pobres não pelo jeito como vivem mas pelo jeito com que agem e pensam. Usa mais a língua e os ouvidos do que o cérebro. É indiscreto, não tem respeito pelo próximo. Sua tônica é a malignidade. O ódio é o ópio do intrigante. São como uma coroa de flor de plástico: estão sempre por aí, mas são sem graça, sorumbáticos.

O abalo moral e ético dos outros faz a alegria de onze entre dez desses canalhas. A desmoralização, o abalo do próximo é o sonho de consumo de todo o fofoqueiro. Falar contra alguém, largar um boato que dure, pelo menos até o dia seguinte, faz a realização pessoal desses seres abjetos. Pensam que podem julgar os outros. Ora, julgar cabe apenas ao Tribunal. Se tu não é juiz, cala-te! Tristes daqueles que precisam encontrar defeitos nos outros pra se sentirem um pouco melhor.

Há poucos dias eu passava em frente a Padaria Doçura, do meu amigo Clóvis Spohr, quando dois expoentes da categoria da qual vos falei até agora, me chamaram. De uma forma acintosa começaram a “mexericar” na minha vida funcional. ___Que vida boa deve ser essa de Assessor de Deputado! Quanto tu ganha? Recebe diárias? Quanto? Até quando vai permanecer no cargo? Pude sentir a mágoa, a dor que meu trabalho causava naquelas pessoas. No entanto, perdi meu equilíbrio emocional e respondi:___Cuidem da vida de vocês. Com tanta gente querendo saber da minha vida, vou virar celebridade! Mas se insistirem em falar mal de mim, me procurem. Sei coisas horríveis de mim mesmo. Afastaram-se!

Mais fofoqueiros do que esses só os comentaristas da Globo News!

Previous post

A prova ilícita e a imunização cognitiva

Next post

2.883 veículos não pagaram licenciamento em Santa Rosa, Santo Cristo e Tuparendi

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *