0
Shares
PinterestGoogle+

Sobre mudanças climáticas sou apenas um curioso, um curioso a beira da neurose, premido, ainda, pelas minhas limitações neste assunto. Sinto-me, como qualquer cidadão do mundo, na obrigação de colaborar com as gerações futuras, reparando pelo menos parte do estrago que temos feito ao nosso planeta ao longo dos anos, desde o dia e que fomos classificados como sapiens na evolução da humanidade. Sou sim, mais um inconformado com a ação do homem, o maior responsável pela emissão de gazes na atmosfera, pelo efeito estufa e pela aceleração do aquecimento global, num estágio da tecnologia, em que medidas muito simples e baratas poderiam frear o aquecimento do planeta. Estudos da Universidade de Columbia, em Nova York afirma: ‘só os painéis fotovoltaicos que produzem energia substituindo os combustíveis fósseis – carvão e petróleo, já seria um enorme avanço para a conservação do planeta.’

A energia fotovoltaica está cada vez mais barata, mas ainda só é usada em larga escala nos países que oferecem subsídios. Na França a companhia – EDF – que tem o monopólio da energia oferece o seguinte esquema aos consumidores: você instala painéis solares no telhado, a empresa compra a energia gerada, coloca-a na rede e paga a você o rendimento de 10% ao ano. Nada mau num país onde a poupança não remunera mais do que 3% ao ano sobre o investimento. Em resumo, ser um micro produtor de energia nesses países tornou-se uma forma de garantir uma aposentadoria mais confortável e isso serve também para a produção de energia eólica. O Brasil, um tanto atrasado, está entrando nessa revolução energética. Em uma das viagens que fiz, olhando os telhados na Europa, pensei no Brasil, que gasta uma Itaipú e meia, só para aquecer a água do banho com chuveiro elétrico, com todo o sol que temos de graça. Se o governo abrisse mão dos impostos em toda a cadeia produtiva até a instalação, a renúncia fiscal seria muito mais lucrativa e menos desgastante politicamente do que as brigas constantes com os ambientalistas – e os crimes ecológicos que se cometem – para a construção de novas hidrelétricas. Além disso, haveria a criação de centenas de milhares de empregos no setor; bastaria uma regulação, uma canetada que faz surgir riqueza e ainda ajuda o planeta, tão simples para os países desenvolvidos, parece ser uma impossibilidade política nos países em desenvolvimento.

Até sábado.

Previous post

Vereador sugere que material desmontado do antigo Moroni seja utilizado para quadra coberta no Cairu

Next post

A Indústria do Esporte precisa olhar para as mulheres...

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *